28/01/2020 às 15h37min - Atualizada em 28/01/2020 às 15h37min

Nova estrutura tarifária da Casan entra em vigor em março

A proposta da nova tarifa de água extingue consumo mínimo para estimular economia

Julio Cavalheiro
Entra em vigor a partir de 1º de março uma nova Estrutura Tarifária dos serviços de abastecimento de água e esgoto nos 195 municípios do Sistema CASAN. Os novos valores e conceitos que foram definidos pelas agências reguladoras levarão em conta o consumo medido em março, para pagamento nas faturas do mês de abril.
 
A principal mudança na nova tabela é o fim do consumo mínimo de 10 metros cúbicos, cujo valor atualmente é de R$ 45,19. Em seu lugar entra uma tarifa pela disponibilidade do serviço, no valor de R$ 29,49, e a partir daí uma cobrança pelo consumo efetivamente apontado no hidrômetro.
 
O objetivo dessa mudança é estimular um uso mais consciente de água, premissa presente em toda a nova estrutura. “Quem economizar mais, pagará menos”, resume o Diretor Financeiro e de Relações com os Investidores da CASAN, Ivan Gabriel Coutinho.
 
Acompanhado de técnicos da Companhia, Gabriel começa a percorrer o Interior para compartilhar os novos valores e conceitos com todas as equipes da empresa de modo que a informação chegue de forma clara aos usuários. Após os treinamentos, os técnicos estarão disponíveis para esclarecimentos da imprensa.
 
Desde ontem (27) a Companhia tem divulgado todas as informações possíveis para não surpreender os usuários. Pelos dados atuais do cadastro da empresa, pelo menos 50% dos usuários terão redução na tarifa. Outros 16% que antes não eram estimulados a economizar – pois pagavam a tarifa de consumo mínimo – agora serão incentivados a reduzir o consumo e, assim, pagar uma fatura menor.
 
O Gerente Comercial, Paulo Peressoni, alerta que “aproximadamente 40% dos usuários poderão pagar mais pela nova tabela, caso não reduzam seu consumo atual”. O acréscimo máximo na fatura será de 10%, mas não representará aumento de arrecadação da Companhia devido aos menores valores da faixa até 8m³ e dos demais usuários que reduzirem seu consumo. “Trata-se de uma redistribuição tarifária”, explica Peressoni.  
 
O consumo médio dos moradores de Santa Catarina é de 154 litros/dia, um número que pode ser reduzido com a adoção de pequenas práticas, como fechar a torneira enquanto ensaboa a louça ou, principalmente, se reduzir o tempo ao banho, pois o chuveiro é um grande consumidor de água tratada. O site www.casan.com.br traz inúmeras dicas práticas para reduzir o consumo e diminuir a tarifa da água.
 
 
Fonte: https://www.casan.com.br/
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Contato direto
Comercial
Comercial