21/12/2020 às 15h32min - Atualizada em 21/12/2020 às 15h32min

​Cocal Luz 2020: lives chegam ao fim após quatro noites de muita música com talentos sul-cocalenses

Última noite de atrações foi marcada por muito modão, anos 80 e novos talentos, neste domingo (20).

Ana Paula Nesi
Fotos: Jean Carlos Nesi
A noite de domingo (20), foi embalada por muito modão sertanejo, música dos anos 80 e novos talentos, no último dia da Live Cultural Cocal Luz, promovida pela Prefeitura de Cocal do Sul, com recursos da Lei Aldir Blanc. As transmissões ao vivo foram realizadas em quatro noite consecutivas, sempre das 19h as 23h, no canal Cultura Cocal do Sul no Youtube e na Página Oficial da Prefeitura de Cocal do Sul no Facebook.
 
“Era muito legal estar na praça, com aquele movimento lá no Centro. Eu amo gente e com certeza toda a equipe do governo municipal também gosta muito de gente. Mas o fato de estarmos aqui em uma live, levando musica, descontração para as famílias sul-cocalenses e mundiais, porque teve gente mundo afora assistindo, é muito importante”, lembrou a comunicadora Patrícia Vaz, convidada a apresentar o evento durante os quatro dias. “Fiquei muito feliz com o convite e principalmente pelo projeto Cocal Luz não passar em branco este ano tão difícil”, destacou.
 
AS ATRAÇÕES
 
João Vitor tem oito anos, toca gaita, bateria e ainda canta. O jovem talento foi a primeira atração da noite ao lado do pai, Deivid Della Bruna. “Gostei muito”, disse o pequeno quando questionado sobre a apresentação.
Deivid contou que também começou muito cedo na área musical. “Comecei a tocar baile com 13 anos de idade. Trabalhei de empregado muitos anos com bandas aqui da região, uma delas o Solto da Patas. Foi quando eu decidi montar a minha banda, Deivid Della Bruna e Grupo Sertanerão, mas hoje nessa live, eu vim junto com meu filho”, destacou o pai orgulhoso.
Della Bruna lamentou a pandemia de coronavirus que levou amigos, e também oportunidades de trabalho. “Infelizmente a gente está passando por um momento muito delicado, estamos desde março sem tocar um evento devido à pandemia. Com certeza o setor mais afetado foi o setor de eventos e música. Nada mais que justo essa lei vir de apoio a nós músicos”, acrescentou sobre a lei de incentivo a cultura.


 
Outra revelação musical na noite, foi o jovem de 18 anos, Guilmer Demetrio. Ele que está iniciando sua carreira, teve três dias de participação no evento. Na sexta-feira, ele tocou ao lado de Dennis com pop rock e reggae; no sábado com a banda de Henrique Munhoz no sertanejo e neste domingo com seu projeto solo de pop e reggae. “É muito bom que a galera aposta e diz ‘vamos ver o potencial do guri’, foi muito maneiro poder ter tocado três dias aqui, sensação muito boa”, declarou o jovem que ainda agradeceu por acreditarem em seu trabalho. “Geralmente quando o cara começa a tocar, a galera não dá muita bola porque é novato, não tem experiência, mas eu estudo em casa, pratico as músicas, todo tipo de música”, completou.


 
Ana Paula Musical trouxe as modas sertanejas para quem ama um arrasta pé entre as 21h e 22h. Ao lado do companheiro Hiago Köenig, que já vive no meio musical há 16 anos, Ana Paula Heckler arrasou na sanfona, instrumento que já toca em eventos há seis. O atual projeto, que traz o casal em destaque, porém, está rodando a região há três anos.
 
“Para todos que vivem da arte, eu acredito que a palavra certa foi se reinventar, se adequar da maneira que dava e encontrar alternativas para que nós pudéssemos continuar passando adiante a nossa alegria”, declarou Hiago sobre as dificuldades enfrentadas no setor cultural durante as restrições causadas pelo Covid-19.
 
Para Ana Paula, a lei Aldir Blanc é muito válida. “Veio para contribuir bastante com o pessoal da música e eventos em geral que tem sofrido bastante. A Prefeitura de Cocal do Sul auxiliou bastante com essas lives”, disse.
 
 

Há 23 anos na carreira musical e há quatro anos com banda própria, Heck Laurindo soltou a voz ao lado dos companheiros Gustavo na bateria, Gilmar no teclado, Tales Matos na guitarra, Anderson Moreno no contrabaixo, para fechar com chave de ouro as apresentações culturais do Cocal Luz 2020, no embalo dos anos 80.
Heck conta que 2020 foi um ano de adaptações. “Foi um ano bem difícil, mas é um problema que não é só nosso, o mundo inteiro está passando por isso. A gente conseguiu através de lives e estilos diferenciados de shows, como o acústico, se adaptar ao que vem acontecendo atualmente e assim contornar um pouco essa situação”, afirmou, finalizando com um desejo.  “Logo tudo isso passa e estaremos de volta aos palcos”.


 
A ORGANIZAÇÃO
 
“Cocal saiu mais uma vez na frente, através da Lei Aldir Blanc, onde pudemos privilegiar os nossos músicos do município. Devido a pandemia de Covid-19, não podemos ter praça cheia com as apresentações deste ano, mas a live veio animar e trazer um pouco da alegria. Foi sucesso absoluto”, disse o Gerente Municipal de Cultura e Turismo, Juarez Fogaça.
 
Para o comunicado Adriano Ghelere, que apresentou o evento ao lado de Patricia Vaz, a iniciativa de ser realizada a Live Cultural Cocal Luz foi muito importante e algo único aqui no sul. “Proporcionou através da Lei que os profissionais da área de eventos, principalmente os músicos, pudessem se apresentar, ter um retorno financeiro e ao mesmo tempo proporcionar descontração e entretenimento para quem está em casa”, destacou Ghelere, que acredita que as lives superaram todas as expectativas. “Tivemos apresentações sensacionais que valorizaram o que é da terra”.


 
Patrícia mencionou que os benefícios que a música traz para as pessoas e sociedade vão muito além do entretenimento. “É o ato de divulgar a nossa cultura, valorizar nossos talentos e proporcionar saúde mental para as pessoas já que a música vai muito além, ela te tira daquele quadro de estresse, te convida a refletir, te descontrai”, pontua.
 
O que foi novidade em Cocal, pode servir como exemplo, segundo Ghelere. “Que sirva como incentivo para outras cidades terem esse tipo de iniciativa e valorizarem os artistas principalmente neste período tão complicado de Covid-19”, ressaltou o comunicador que torce pelo retorno do Cocal Luz para os palcos com a presença do público no próximo ano.
 
“Mesmo nesse formato diferente que o momento exige, o Cocal Luz estar acontecendo foi sensacional”, finalizou Patricia, parabenizando os envolvidos.
 
A LEI
 
O terceiro edital da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc (Lei nº 14.017/2020), que trata da produção da Live Cultural, custou R$ 71.143,34, e foi dividido em três modalidades. A produção com sonorização, transmissão, iluminação, com valor de 15 mil. O credenciamento de músicos, bandas e apresentadores para a apresentação que teve investimento total de 51 mil, onde foram contratados 16 atrações por 45 mil e os apresentadores por 6 mil, previamente cadastradas no mapa cultural do município. A locação de espaço teve um custo de R$ 5.143,34.

As fotos estão disponíveis. Quer compartilhar? Vai no nosso Facebook.

 

Quarta e ultima noite de atrações foi marcada por muito modão, anos 80 e novos talentos, neste domingo (20) em Live...

Publicado por Portal Cocal em Segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Contato direto
Comercial
Comercial