19/12/2020 às 02h37min - Atualizada em 19/12/2020 às 02h37min

Sexta reggae, Pop e Rock na segunda noite de LIVE no Cultura Cocal do Sul

Transmitidas pelo YouTube, lives culturais são promovidas com recursos da Lei Aldir Blanc e contemplam músicos sul-cocalenses em evento que vai até domingo (20).

Ana Paula Nesi
Fotos: Ana Paula Nesi
A sexta-feira (18) foi embalada por muito rock, pop e reggae, na segunda noite de apresentações na Live Cultural promovida pela Prefeitura de Cocal do Sul. Através do terceiro edital com auxilio emergencial da Lei Aldir Blanc, quatro noites de show foram preparadas com músicos sul-cocalenses. O evento que iniciou na quinta, vai até domingo, com muita música boa, transmitido das 19h às 23h pelo Canal do YouTube Cultura Cocal do Sul. “Devido a pandemia de Covid-19, não podemos ter praça cheia com as apresentações deste ano, mas a live vem animar e trazer um pouco da alegria”, disse o Gerente Municipal de Cultura e Turismo, Juarez Fogaça.
 
ATRAÇÕES DA NOITE
 
Quem abriu as apresentações, foi Dennis Bittencourt que desde os 12 anos trabalha com música. “Tocamos em barzinhos e realmente com essa pandemia tivemos que parar tudo. A gente sentiu bastante, mas essa oportunidade faz com que a gente tenha uma motivação para continuar e tenho certeza que em breve a gente vai estar voltando a tocar e trabalhar mesmo”, anseia Denis que agradece a prefeitura pela oportunidade. “Fomos super bem atendidos, produção show de bola”.


 
Quem se apresentou ao lado de Dennis no vocal e violão, foi Guilmer Demetrio. O jovem que fará 19 anos no próximo mês está começando seus trabalhos profissionais como músico e realizará três apresentações no projeto cultural. Nesta sexta-feira, ele tocou ao lado de Dennis com pop rock e reggae; no sábado estará ao lado de Henrique Munhoz no sertanejo e domingo com seu projeto solo. “Domingueira vai ser eu, com pop rock e reggae, numa versão acústica, mas animada daquele jeito”, brinca Guilmer. O jovem lembra que a pandemia assustou e ele viu músicos com agenda cheia tendo que cancelar tudo e a situação é ainda mais difícil para quem está começando. “O cara que está iniciando a carreira já passa trabalho, muitas vezes as pessoas não botam fé no na gente, ainda vem essa pandemia... Graças a Deus veio essa lei para auxiiar a gente, então vamos indo devagarinho e logo a vacina chega para nos ajudar”, disse.
 


A segunda apresentação da noite ficou por conta da Banda Ozel Rock, composta por Mauricio Onofre no vocal e violão, ao lado de Daniel Quagliotto na bateria, Daniel Galatto no baixo e Saimon Ozelame na guitarra. “A lei Aldir Blanc veio em um momento que a gente realmente precisava. Com certeza está dando uma moral para os músicos e os incentivando a continuar”, conta Mauricio que está na banda há quatro anos, mas tem seu projeto solo e toca em bares há mais de dez anos.
 

“Fazem três anos que eu estou sobrevivendo de música, e esse ano realmente foi bem complicado. Ia ser um ano extraordinário para mim, tinha várias datas fechadas, mas ai veio a pandemia, veio essa doença que infelizmente tirou a vida de bastante gente, e com ela acabei perdendo bastante datas”, lamenta o músico que fechou a noite de apresentações com seu terceiro projeto, o Mauricio Onofre e Banda junto de Jander Zomer na bateria, Jeison Zomer no baixo, Diego Dajori nos teclados e Saimon Ozelame na guitarra.


 
O horário das 21h às 22h foi marcada pelo rock da Banda Back Over. Adilson Motta que é vocalista e guitarra base, conta que desde 2011 trabalha com música e a banda com a formação atual, com Israel na guitarra solo, Fernando no baixo e Adinan na bateria, está na estrada há quase dois anos e lamentou a ausência de público na apresentação. “Uma pena não ter público presencial hoje, mas foi uma oportunidade de ouro que a gente não podia perder. Nós músicos, principalmente, queremos sempre estar tocando, cantando. A lei veio a calhar, porque estávamos presos dentro de casa. Para pessoas que vivem com a renda da música esse auxilio é uma necessidade básica, digamos assim”, ressalta o vocalista.


 
A ORGANIZAÇÃO
 
Para Nelson Rosso, que trabalha como gestor de convênios na Prefeitura e faz parte do comitê responsável pela captação de recursos, ver esse evento acontecendo é gratificante. “Ontem eu estava acompanhando em casa, pois não pude comparecer e tinha mais de 1200 visualizações e isso é gratificante porque vemos nosso trabalho como voluntários do comitê, já que há outras pessoas no grupo e que não podem estar presentes, podendo ajudar de fato esse setor que foi tão prejudicado com as restrições por conta do covid-19”, cita. Ele lembra ainda que o recurso federal estava disponível e a iniciativa de buscar trazer esse incentivo financeiro para a cultura de Cocal do Sul foi de extrema importância.
 “Casas de eventos e artistas, muitos ainda estão sem ter atividade nenhuma, então fomos buscar esse recurso para abrir esse espaço e assim dar o máximo de apoio a eles”, completa.
 
A LEI
 
O terceiro edital da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc (Lei nº 14.017/2020), que trata da produção da Live Cultural, custou R$ 71.143,34, e foi dividido em três modalidades. A produção com sonorização, transmissão, iluminação, com valor de 15 mil. O credenciamento de músicos, bandas e apresentadores para a apresentação que teve investimento total de 51 mil, onde foram contratados 16 atrações por 45 mil e os apresentadores por 6 mil, previamente cadastradas no mapa cultural do município. A locação de espaço teve um custo de R$ 5.143,34.

As fotos estão disponíveis. Quer compartilhar? Vai no nosso Facebook.
 

Confira as foto da segunda noite de apresentações da Live Cultural promovida pela Prefeitura de Cocal do Sul com...

Publicado por Portal Cocal em Sábado, 19 de dezembro de 2020

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Contato direto
Comercial
Comercial