26/09/2020 às 18h28min - Atualizada em 26/09/2020 às 18h28min

Antes dos 29 anos: um resumo da história de Cocal até sua emancipação

Foi em 26 de setembro de 1991 que Cocal deixou de ser Distrito de Urussanga e passou a ser Município.

Ana Paula Nesi
Foto: Arquivo
     Cocal do Sul comemora hoje, seus 29 anos de emancipação politico-administrativa. Foi em 26 de setembro de 1991 que o governador Vilson Kleinübing, sancionou a lei nº 8.532, criando o município de Cocal do Sul. Antes disso, em 31 de março de 1991, um plebiscito com 4939 votantes, definiu a escolha da maioria por tornar o então distrito Cocal, município. Foram 4.888 votos sim; 41 votantes pelo não; dois anularam seus votos e três votaram em branco.
 

     Mas a história de Cocal do Sul começa muito antes destas datas e é sobre ela, que hoje, queremos fazer um breve resumo.

Os primeiros registros
 
     Os primeiros registros na história acompanham a colonização do Núcleo Azambuja, no ano de 1878, aonde 76 famílias, vieram com destino a Urussanga. Em 1880 através deles, foi concluída a abertura da estrada de Urussanga até Cocal e mais tarde a extensão até Criciúma. A colônia Azambuja, foi dividida então em três distritos coloniais para melhor administração: Pedras Grandes, Urussanga e Cocal/Cresciúma.
     Foi em 1885 que através da comissão chefiada pelo engenheiro Francisco Ferreira Pontes, as terras começaram a ser demarcadas e se formou assim, o Núcleo Colonial Accioly de Vasconcelos. Foi neste ano que o governo imperial promoveu nova imigração buscando maior desenvolvimento da colonização e se colocaram então, no caminho Urussanga/Criciúma, cerca de 150 famílias italianas.
 
As primeiras famílias
 
     As famílias pioneiras de Cocal foram Cechinel, conhecida como Pauli; Possamai, como Mura e Smânia. Logo após chegaram, dentre as famílias mais conhecidas: Benetton, Bettiol, Bortolatto, Búrigo, Castelan, Cerimbelli, Cechinel, Casagrande, Crestani, Costa, Cechinel (Sabionaro), Cechinel (Bót), Da Rolt, de Fáveri, Dalló, Da Jori, Da Soler, Dal Pont, De Pelegrin, Fontana, Feltrin, Farasson, Furlan, Ferro, Galatto, Galli, Guglielmi, Guollo, Meneghel, Menegon, Munaretto, Motta, Peruchi, Pavei, Possa, Peraro, Possamai Della, Peruck, Rosso, Paspini, Ronsoni, Sartor, Scarpatto, Scandolera, Soligo, Zanatta, Zilli, Zunchetti.
     Já entre as famílias polonesas e russas, pode-se destacar: Bocianowski, Kanareck, Cizeski, Slowinski, Bank, Furmanski, Smielewski, Slachta e Biela.
 
 
O nome
 
     Não se tem uma data exata para o momento em que Accioly de Vasconcelos passou a se chamar Rio Cocal, mas os registros mostram que a mudança pode ter ocorrido após 1892.
    Um rio, ladeado por coqueiros, que fora apelidado pelos habitantes de Rio Cocal, já que Cocal é um sinônimo de “coqueiral”. E através deste nome, Accioly de Vasconcelos foi sendo esquecido e a população que aqui morava, passou a chamar as terras de Rio Cocal, mais tarde, passando a chamar apenas de Cocal. o termo “Do Sul” foi acrescentado pois uma cidade no Piauí levava a mesma denominação “Cocal”.
 
A emancipação
 
     Em 1º de julho de 1904, Cocal passou a ser oficialmente Distrito de Urussanga.
    Em 1960, deu-se inicio as operações das Empresas Eliane nas terras cocalenses, através de “Seu Milo”, como era conhecido o fundador Maximiliano Gaidzinski e com ela, mais habitantes vieram, a economia cresceu, novos comercios abriram.


     Na década de 80, o Distrito Cocal chegou a um nível de crescimento e desenvolvimento acentuado. Em 1989, em uma reunião do Lions Clube em que era analisada a situação do então Distrito, a ideia de levantar a bandeira pró-emancipação veio à tona. Era uma conversa informal, que logo após se conectou as lideranças politicas locais e assim, levou-se adiante a iniciativa. Depois de algumas reuniões a formação da Comissão Emancipacionista foi formada em 15 de março de 1990 e foi assim constituída:
 
Presidente: Hylário Ernesto de Faveri
Vice-Presidente: José Ferminio Morona de Freitas
1º Secrtário: Valmor Mario Guollo
2º Secretário: Edmar João Galli
1º Tesoureiro: Adair Pagnan
CONSELHO FISCAL
1º valentin Da Maria Rosso
2º Enio Ricardo Búrigo
3º Vitalino Della Vedova
4º Zenio Cesar Galli
SUPLENTES
1º Jahir Zanatta
2º Claudino Guollo
3º Jaime de Brida
4º Luiz Zakrzewski
 
     Todos os segmentos da sociedade se envolveram nas discussões e segundo Hylário De Faveri foi uma campanha educativa. “Panfletos em forma de carta aberta à população, músicas, adesivos para carro e roupa, informativos orientando de como seria a votação (eletrônica), apelo em programas de rádio e também na televisão e jornais locais, slogans, enfim, tudo serviu de instrumento para que a Comissão fizesse chegar até a população a importância do voto pelo SIM”, declara De Faveri.
 
     Foi no domingo de 31 de março de 1991, que o plebiscito ocorreu. Das 8h às 17h os votos foram recebidos e o sim teve vitória esmagadora. Dos 6.109 eleitores inscritos, foram 4.934 votos registrados na data.
  • 4.888 votos SIM
  • 41 votos NÃO
  • 3 votos em BRANCO
  • 2 votos NULOS
 
     Em 26 de setembro de 1991, o governador sancionou a lei nº 8.532, criando o município de Cocal do Sul, que foi publicada no Diário Oficial do dia 04 de outubro daquele mesmo ao, sob. O nº 14.293. O sonh
o virou realidade. Nasceu Cocal do Sul.




     O Portal Cocal, quer hoje homenagear este municipio que vem marcando a história. Um povo acolhedor, trabalhador, que luta por seus ideais e faz cada dia mais, o municipio se desenvolver e se destacar em toda região. Hoje buscamos trazer este resumo para mostrar um pouco de quem ajudou a construir Cocal como é hoje. A história, com muitos detalhes, imagens, documentos, pode ser conferida no livro "Cocal do Sul: Um mergulho em sua história" de Hylário Ernesto de fáveri e João Carlos De Pellegrin de Souza, publicado em 2006. 

     Parabéns à Cocal do Sul e a cada um que fez e faz da nossa terra, um lugar lindo para se viver!

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Contato direto
Comercial
Comercial